quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Resenha - O Ceifador



Título:  O Ceifador
Autor:   Neal Shusterman
Editora:  Seguinte
Classificação: 
Páginas: 448
Sinopse: Primeiro mandamento: matarás.
A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.


Resenha:
Em O Ceifador, Neal Shusterman conta uma história surpreendente, única, vivida em um mundo pós-apocalíptico.
Na Era da mortalidade como os nossos personagens falam, era um mundo exatamente igual o nosso, como estamos vivendo nesse exato momento, um mundo com guerras, acidentes fatais, mortes por crimes brutais, onde as pessoas que morriam iam embora para sempre, mas com o avanço tecnológico em 2042 as coisas começaram a ficar diferentes, pois foi o ano em que a capacidade computacional se tornou infinita ou tão perto disso que não podia mais ser medida. Foi o ano tudo mudou, pois, a Nuvem de informações evoluiu para a “Nimbo-Cúmulo”, e agora tudo que há para saber reside na memória semi-infinita da Nimbo-Cúmulo.
A Nimbo-Cúmulo é mãe de todos, após ela não existia mais doenças, a desigualdade financeira foi refeita e todos agora eram iguais, a fome sumiu, a tristeza sumiu e a morte também sumiu, pois agora as pessoas poderiam ser revividas em centros de revificações. A Nimbo-Cúmulo controlava tudo, menos uma coisa: Os Ceifadores.
“ Antes, o fim da vida humana ficava nas mãos da natureza. Mas nós a roubamos. Agora temos o monopólio da morte. Somos seu único fornecedor.”

Como a população vivia em um mundo perfeito, a alta taxa de nascimentos cresceu extraordinariamente e com isso o mundo se tornou inabitável para tantas pessoas e logo se via o caos por causa disso e então para sanar o problema foi criado por fora da Nimbo-Cúmulo o Alto Punhal onde se existiria ceifadores e eles seriam encarregados de coletar pessoas aleatoriamente, assim a vida na terra poderia ser controlada.
Os Ceifadores eram os únicos que poderiam tirar vidas e essas vidas tiradas não poderiam ser revividas. Então com isso o grupo da Ceifa se tornou assustador, alguns evitavam eles a todo custo com medo da coleta, outros os bajulavam achando que isso poderia causar imunidade a eles por um determinado tempo e tinha os que não gostavam deles e achavam horrível seus trabalhos e duas pessoas importantes que tinham a mesma opinião sobre isso não era nada menos que Citra Terranova e Rowan Damisch.
“ Será que já tivemos algum inimigo pior do que nós mesmos?”

Citra e Rowan não se conheciam, viviam mundos opostos, seguindo suas vidas até que um dia foram testemunhas de uma coleta de um famoso ceifador chamado Faraday e acabaram expressando sua raiva dos ceifadores para ele.
Sem saber das consequências, alguns dias depois ambos acabam se conhecendo e descobrindo o pior pesadelo para eles: Faraday os tinha selecionados para serem aprendizes de ceifador e o melhor entre eles se formaria como Ceifador e outro iria embora para casa. Rowan não tinha nada a perder em se tornar um ceifador, pois já era solitário, sua família não ligava para ele. Citra temia a segurança de sua família e se tornando ceifadora poderia dar imunidade permanente para eles. Ambos entrariam no mundo de ceifadores e conheceriam milhares de maneiras de matar uma pessoa, mas será que estavam prontos para isso? Será que perderiam suas almas após todo o treinamento? Citra era competitiva e não queria perder para ninguém, já Rowan não achava ideia de ceifador tão ruim assim. Mas o que ambos não sabiam é que mesmo no grupo de ceifadores, existiam os maus, e agora eles entravam em um jogo que não saberiam se iam conseguir ganhar.
 “ Somos Instruídos a anotar não apenas nossos atos, mas também nossos sentimentos, porque deve-se saber que temos sentimentos. Remorso. Arrependimento. Sofrimentos grandes demais para suportarmos. Porque, se não sentíssemos nada, que espécie de monstros seriamos?”



O Ceifador foi uma bela surpresa para mim. Vendo tantos comentários positivos, tanta ansiedade para ler a sequência, resolvi embarcar nessa história e ver o que ela trazia de tão crucial e confesso que gostei do que vi.
A história de Neal é única, diferente de tudo aquilo que você leu em distopias, pois há toda uma trama, uma explicação, detalhes e mais detalhes de todo esse mundo que ele criou. Tanta informação que é impossível você não se imaginar dentro daquele mundo.
Um livro cruel de se pensar pelo fato das ceifas e de como tudo aquilo se tornou justo e ao mesmo tempo injusto. E sua escrita nos convence totalmente daquelas afirmações que ele mesmo criou, pois para nos deixar ainda mais integrados a cada inicio de capítulo há uma página do diário de coleta de um Ceifador, e é através dele que entendemos como eles pensam, como eles se sentem após a ceifa, o que eles acham do novo mundo e como a morte se tornou algo simples para muitos e difícil para outros e com essas pequenas reflexões vemos o quanto a história é bem trabalhada e abordada.
Sobre os personagens Citra e Rowan se mostraram ótimos em questão de crescimentos. Principalmente Rowan que foi um dos que mais vivenciou e presenciou momentos tão frios e brutais, e por causa disso fez ele mais forte, mais sensato e esperto com tudo, a única pessoa que ele confiava e que se pararmos para pensar devia não ser confiável por ser sua rival era Citra. Já Citra é uma garota determinada, e acho que a determinação é a palavra para descrevê-la. É uma garota esperta, que se importa com os outros e que se esforça para mostrar o seu melhor. A relação dela com Rowan foi tão bem construída que assim que surge um indicio de romance, não fica forçado.
Outros dois personagens que marcaram foram o Ceifador Faraday e a Ceifadora Curie, ambos têm uma ética e moral incrível que parecem muito além da história, como se fossem tão sábios quanto o autor.
Há mais personagens inseridos na trama, mais não vou citá-los para não falar muito da história, mas todos tem um papel importante ao longo do livro.
A ambientação também está fantástica e me inseri totalmente no mundo criado por Neal, mas nem tudo foi perfeito ao longo da leitura também. Achei o início até o meio da história bem parado, até um pouco cansativo, e só depois de alguns acontecimentos que por fim a história caminha e nos deixa ansiosos.
O livro tem 448 e é claro no começo senti a paginas se arrastarem igual lesmas, mas depois as coisas fluíram e ritmo ficou bem rápido.
O final nos deixa ansiosos para o próximo livro para ver como vai se seguir a história que acabou de um jeito muito bacana.
Enfim, posso dizer que adorei O Ceifador e espero que sua sequencia tenha mais ação que esse.
Recomendado para aqueles que gostam de distopias e ficção científica. 

14 comentários

  1. Esse livro parece muito bacana, mesmo que arraste um pouquinho no início. Já quero ler!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  2. Oi Jess, tudo bem? Ah, esse livro, suspiros por ele! Distopia fantástica, pode demorar um pouco para deslanchar, mas quando o leitor vê está rendido e não consegue mais largar o livro até chegar ao final. Realmente tem essa questão de analisar mais friamente o que o autor argumenta sobre a morte é bastante cruel, além de ter chamado muito a atenção para as questões políticas embrenhadas em toda a trama, é magnífico. Estou muito ansiosa pela continuação que, pelas resenhas que já li, supera esse primeiro livro e está deixando os leitores em êxtase.
    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Jéssica.
    Eu estou lendo tantos comentários positivos sobre o segundo livro dessa série que preciso ler ela. Mas acabei de ler uma trilogia do gênero que em decepcionou tanto que fico até com medo. Mas quem sabe lendo uma de alto nível compensa a outra leitura ruim hehe. Eu já li outros livros do autor e gostei bastante. Assim que der vou ler os livros.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi Jess! Esse autor é incrível e este livro é maravilhoso. Fica preparada que a sequencia é de parar o coração. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Oi, Jess

    Se você curtiu esse prepare seu coração, porque A Nuvem veio para abalar nossas estruturas! Hahahaha

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Jeh!
    Vejo algumas pessoas falando bem da leitura como vc, mas n sei, ainda n me convenci a ler... Eu curto distopias mas n curto tanto ficção científica, rs
    Quem ssbe no futuro eu dê uma chance?
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Jess, tudo bem?
    Não sabia que o livro era tão longo!
    Mas adorei a premissa, e os elogios me fazem querer ler.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  8. Acredita que ainda não tinha visto nada sobre esse livro? Mas é impossível ler sua resenha e não querer conhece-lo. Já anotei a dica!

    www.kailagarcia.com
    www.nossomosmoda.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Jess,
    Eu nem imaginava que fosse curtir tanto os dois livros, pois não sou muito habituada com o gênero. A Nuvem me deixou ainda mais presa, bombas estão por vir!

    até mais,
    Nana e Leticia - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  10. Hey Jessica! Tudo bem?
    Esse livro ta sendo muito bem falado, tô doida pra ler ele!
    Obrigada pelo comentário lá no blog.
    Volte sempre!

    ~ miiistoquente

    ResponderExcluir
  11. Oi Jessica! Eu já li outros livros do autor e gostei muito da escrita dele, que é bem fluída. Esse universo criado pelo autor parece muito bom e ainda quero conferir!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  12. Oi, Jess!

    Esse livro é maravilhoso e realmente único! O começo é mesmo um pouco lento, mas quando a história pega o embalo vira algo frenético. Quero ler logo o segundo volume. Ótima resenha!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir

Desenvolvido por: Adorável Design Editado por: RM Design

imagem-logo